o vento

Na casa em que vivi
havia sempre aberta uma janela
por onde entravam mornas brisas
em dias ensolarados
e ventanias que espalhavam pelo chão
papéis e folhas trazidas do jardim.

Eu sempre recebi o vento com alegria.

Com ele chegavam os cheiros
de rua, de chuva, de flor
que alteravam o aroma da casa
enquanto balançavam-se cortinas
e assoviavam-se canções
que sempre parei para escutar.

Na casa onde hoje moro,
fecha-se a porta ao vento.
E minha alma vive
mergulhada em solidão.

2 comentários em “o vento

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s