mortalidade

Passa. Tudo. Amor. Saúde. Alegria. Dor. Sabemos: passa. Ciclos se fecham. Pessoas se vão. Idéias morrem. Até lugares, paisagens, mudam. Por que, então, chorar a perda, se inevitável é mudança? Por que ausência traz tristeza, vazio, desamparo? Os que amamos, mesmo sem profundidade, quando partem, nos reduzem, nos recordam a mortalidade e nos quebram corações.

o sonho

Começou assim: abraçada ao filho, como se o menino crescido fora ainda bebê, entrou no mar ao encontro de uma amiga. Mas a luz do dia se apagou na primeira pisada na arrebentação. Os pés molhados, o abraço intenso no filho, os passos paralisados diante da escuridão e apenas o contorno da amiga ao longe, entre […]