Ontem o dia era cinza

Ontem era cinza o dia o céu sobre mim o asfalto sob os passos as esquadrias da janela na sala em que estava.   Cinza. Mesmo sem nuvem. Sem som. Só a memória da notícia que chegara e desbotara o presente.   Choveu transparente forte. Incômodos os pés alagados, fria a calça contra a pele […]

do que lembramos, afinal

“A vida não é o que se viveu, mas sim o que se lembra, e como se lembra de contar isso.” (Gabriel García Márquez) Voltando do trabalho e olhando, desantenada, as imagens que passavam em velocidade pela janela do ônibus, revelou-se a singela verdade: não eram os grandes gestos nem as maiores provas de amor […]

beijo

Vivera presa a garantias. Mas, nessa noite, a ternura era urgente. A vida se desmontara e suas expectativas apontavam para o exílio após a dura semana que enfrentou. Portanto, permitiu a aproximação, mesmo desconhecendo os movimentos seguintes. Como não havia outro lugar em que quisesse estar, não havia angústia. Seu lugar era ali, àquela hora, […]

o altar

Terminado o cortejo, correram até a porta da igreja, fugidos da chuva forte que encharcara-lhes as roupas. Refugiaram-se no hall da nave. Contrariada por ter que desviar-se do caminho de casa, onde encontraria a pausa necessária após o exaustivo dia de pêsames, Elisa se separou do grupo formado pelos que se abrigaram ali. Caminhou em […]

amigas num café

Sentadas na mesa do café, as amigas estavam em silêncio. Carolina tinha os olhos perdidos na rua, olhava sem profundidade as cenas que aconteciam na porta do café, na travessia da esquina, a cabeça esvaziada de sentidos.  Ana fixava-se no rosto da amiga, que era uma mulher bonita mas trazia, naquela tarde, uma inexpressividade enorme, […]

insônia

Passara um ano sem dormir direito. Um ano. Rolando na cama, aconchegada entre os travesseiros que, no meio da noite, sufocavam-na. Dizendo aos amigos que as enormes olheiras disfarçadas sob a maquiagem eram da rotina apressada ou, talvez, de uma pequena anemia – comia mal porque o trabalho lhe exigia. Passara-se um ano e todos […]

do amor que se perde sem virar carinho

A gente não percebe o amor que se perde aos poucos sem virar carinho (Nando Reis) Parecia-lhe um desperdício entregar a outro a ternura que reservara para ele.  Por isso, esperou mais uns dias pelo telefonema prometido ou por um SMS, alternativamente.  Mas nada se alterou. Até saírem, antes, observara-o de perto.  Analisou se o interesse […]