Ontem o dia era cinza

Ontem era cinza o dia o céu sobre mim o asfalto sob os passos as esquadrias da janela na sala em que estava.   Cinza. Mesmo sem nuvem. Sem som. Só a memória da notícia que chegara e desbotara o presente.   Choveu transparente forte. Incômodos os pés alagados, fria a calça contra a pele […]

estranho-te

Estranho teu silêncio.   Tua voz dialogava com as imperfeições da minha alma, meus pensamentos ruminantes e  fracas aspirações   –  era uma ponte para um lugar que era bom ocupar.   Acariciavas-me, mais, quando tocavas o espírito desgarrado de mim   – desamparar-me o espírito foi teu gesto pior!   Passo a limpo o […]

mortalidade

Passa. Tudo. Amor. Saúde. Alegria. Dor. Sabemos: passa. Ciclos se fecham. Pessoas se vão. Idéias morrem. Até lugares, paisagens, mudam. Por que, então, chorar a perda, se inevitável é mudança? Por que ausência traz tristeza, vazio, desamparo? Os que amamos, mesmo sem profundidade, quando partem, nos reduzem, nos recordam a mortalidade e nos quebram corações.

alguém que lhe beije as feridas

(Porque me contaram, de forma lírica, que Cuddy beijou a perna danificada de House) maquiagem riscada sobre a pele também roupa cobre lingerie sobre a pele protege carne oculta músculos, órgãos, ossos, sangue, casca sobre alma memórias soterradas. da vivência do espírito, dos pensamentos da mente, do sentimento que os antecede, mais atrás se esconde […]

aniversário

Nenhuma programação. Nenhuma palavra. Nenhum carinho. Nenhuma luz se acende. Nada corta o silêncio. Nada quebra o instante suspenso do dia que passa. Pena nenhuma, nem dor nem alegria. Nenhum sentimento. Nada há.

mexendo no baú III

COLO Se eu pudesse contar-te essa saudade e pudesse abraçar-me a tua paz Chamando-te, então, amigo, para junto de mim, se pudesse encontrar-te sozinho e deitar em meu colo teu conflito, acariciando levemente teus cabelos, e se pudesses compreender que o amor que guardo em mim é tão superior que a mim mesma espanta, então […]

mexendo no baú II

À DISTÂNCIA Por não saberes que me perdes quando me olhas superior, escolhendo as falas que mais exaltem tua sabedoria e que nada além do teu sorriso admiro e nada além de teu olhar me excita e que tudo destrói tua presunção É que, por não saberes o quanto perdes, deixando que te escape o […]

mexendo no baú I

BORBOLETA Não invejo o avião, que voa muito acima das nuvens, quase encostado no céu. Nem a graça natural do pássaro invejo, rasante e sonoro entre as copas das árvores. Mas sim a borboleta que passa e em toda sua pequenez voa baixo, muito baixo para, entre beijos, alimentar-se de uma flor. (escrito aos 16 […]

Busca

Caminho por tua rua imaginando em que varanda expões a rede em que sonhei amar-te. Caminho sozinha. Olhos voltados para o alto, incomoda-me o sol. Ainda assim, busco-te debruçado numa janela e vigio as saídas das garagens que podem ser tuas. Cansada, caminho. No coração, neutralizados os impulsos de vida. No corpo, repousados os desejos […]

dos versos que escrevo

Escrevo-te versos impróprios que, à sombra, trazem a libidinosa vontade de amar-te sem culpa por saber que sofrerá quem neles reconhecer uma história. Os versos que te escrevo me sobram nos pensamentos, nas noites sem alimento nem luz, em que a insanidade ronda o catre frio e estéril em que me deito só. Mas são […]