no dia seguinte (conto 2)

Sentia o cansaço da noite mal dormida somar-se ao calor acentuado pelo paletó com que cobrira o corpo ressentido. Doía-lhe o pescoço. A dor se ramificava à coluna, emprestando ao corpo uma sensação de surra que lhe tolhia os movimentos e obrigava-o a submeter-se a um ritmo que não era capaz de alterar. Difícil caminhar […]

à hora do jantar (conto 1)

Ele a beijara de surpresa e, por isso, não lhe dera tempo de lavar as mãos sujas de tomate. Emprestou-lhe seu cheiro fresco, a pele ainda úmida e quente do banho, mas retribuíra-lhe o carinho com a boca distraída, preocupando-se demais com as mãos sujas e com a nódoa que não saberia tirar da camisa […]